Sábado, 18 de setembro de 2021
77 99111-1342
Bahia

14/09/2021 ás 06h37

293

Paulo Flores

Bahia / BA

Pescaria é proibida após surgimento de lama escura em rio e morte de 100 mil peixes
Secretaria esteve no trecho do Rio Verruga para coletar amostras da água e fazer inspeção
Pescaria é proibida após surgimento de lama escura em rio e morte de 100 mil peixes
Foto: Divulgação/Prefeitura de Itambé

A pescaria no Rio Verruga, na cidade de Itambé, no sudoeste da Bahia, foi proibida pela prefeitura do município, durante as investigações sobre o surgimento de mais de 100 mil peixes mortos e água em tom escuro em trecho próximo à ponte da Rua Nova. Os primeiros casos aconteceram no dia 5 de setembro.

O rio nasce na Serra do Periperi, em Vitória da Conquista, e desagua no Rio Pardo, em Itambé, município vizinho. As secretarias do Meio Ambiente das duas cidades estiveram no trecho do rio que corta os municípios e coletaram amostras da água para fazer uma inspeção.

As amostras colhidas não apresentaram alteração, mas de acordo com o órgão ambiental de Itambé, os resultados preliminares confirmaram a presença de uma lama densa em um trecho abaixo da Serra do Marçal. O material ainda está sendo analisado e pescaria na região ficará proibida até a entrega do laudo.

A suspeita é que a lama esteja partindo da nascente do rio, em Vitória da Conquista, e seguindo o curso até Itambé. Também está sendo analisada a possibilidade de contaminação por esgoto no local.

“Essa lama, tudo indica que tenha causado a questão da mortandade dos peixes. Tudo indica que houve uma queda grande no PH da água, com isso os peixes ficaram sem oxigênio e recolhemos o material, notificamos o Inema e o Ministério Público”, disse o vice-prefeito de Itambé e também secretário do Meio Ambiente, Bruno Lopes.

A Secretaria do Meio Ambiente também prepara um laudo para saber o tamanho do impacto ambiental e espera o resultado da análise da lama para saber o que causou o problema.

O material coletado foi levado para os laboratórios da Universidade Estadual do Sudoeste (UESB) e pela Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa), que foi notificada para fazer a análise em todo o perímetro do rio.

“Estamos tentando saber quem foi o causador disso, o grande culpado, porque o impacto causado aqui foi muito grande”, afirmou Bruno Lopes.

FONTE: bahia.ba

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2021 :: Todos os direitos reservados