Quarta, 01 de dezembro de 2021
77 99111-1342
Geral

20/10/2021 ás 07h25

228

Paulo Flores

Bahia / BA

Família arrecada R$ 12 milhões e consegue comprar remédio mais caro do mundo para bebê
Pais de Benjamin, um bebê de cinco meses de idade, agradeceram aos apoiadores depois que compraram o Zolgensma, medicamento que trata rara síndrome genética
Família arrecada R$ 12 milhões e consegue comprar remédio mais caro do mundo para bebê
Objetivo dos pais é que Benjamin tome o remédio de dose única antes de completar seis meses de vida - (crédito: @ameoben/Instagram/Reprodução)

O casal Nathalie Brener e Túlio Guimarães foi ao Instagram anunciar uma notícia há muito aguardada pelos 19,3 mil seguidores: eles conseguiram os 2 milhões de dólares (cerca de R$ 12 milhões) para comprar um remédio que pode salvar o filho Benjamin, de cinco meses. O menino sofre de uma rara síndrome genética chamada Atrofia Muscular Espinhal (AME) e precisa receber tratamento o quanto antes.


No vídeo, os dois reforçaram o lema da campanha em prol da saúde do bebê “O Ben sempre vence” e agradeceram pelas doações e apoio. Além do financiamento coletivo, a família fez rifas de diversos bens, como um iphone e uma moto, para arrecadar a quantia necessária.


“Compramos o medicamento junto à fabricante suíça Novartis e expectativa é de que ele chegue ao Brasil ainda em outubro. Assim, conseguiremos nossa meta: o Bem tomar esse tão sonhado remédio antes de completar os seis meses de vida”, explicou a mãe.


A meta levou cerca de 100 dias para ser atingida e a família que "é só alegria", nas palavras dos pais, vai compartilhar também os próximos passos do tratamento do menino pelo perfil da campanha (@ameoben) no Instagram. Emocionado, o pai de Benjamin deixou um recado para o filho. “Desejo muita saúde para você meu filho, você é um guerreiro, que Deus te abençoe”, disse.


O remédio mais caro do mundo


 


O Zolgensma é pivô de muitas batalhas judiciais no Brasil para que as famílias consigam sua obtenção pelo SUS. Lançado em 2019 pela farmacêutica Novartis, gerou uma série de controvérsias em todo o mundo, em especial pela falta de transparência acerca de seus custos. Para se ter uma ideia, o medicamento que ocupava o topo do ranking mundial de fármacos caros custava metade do que é pedido por essa droga.


 


A substância promete levar ao paciente uma forma saudável do gene disfuncional e parar a progressão da doença. Já o Spinraza, disponibilizado pelo SUS há cerca de dois anos, retarda os efeitos da doença e auxilia na recuperação de alguns movimentos, mas o processo degenerativo pode continuar no futuro.


A forma de aplicação também é diferente. Enquanto o remédio mais caro exige uma única injeção, o medicamento mais antigo requer que a criança seja internada pelo menos uma vez por ano para receber a dose da substância intravenosa. Por tudo isso, o Zolgensma é preferido pelos familiares, que buscam maneiras judiciais ou campanhas públicas para a compra do fármaco.


A doença


 


Para os pacientes com AME, o tempo é uma questão fundamental. Tudo porque essa é uma doença degenerativa que evolui rapidamente, provocando a morte dos neurônios musculares inferiores. Quanto maior o hiato entre o diagnóstico e o começo do tratamento, mais os músculos se degradam, ficam fracos e atrofiam.


 


Depois de alguns meses, o paciente começa a perder capacidades essenciais para a vida como a de se movimentar, de engolir e pode até ter uma parada cardíaca ou respiratória. A AME é uma síndrome genética, causadas por mutações de baixíssima prevalência na população. Por isso, só um ou dois em cada 100 mil nascidos vivos apresentarão a doença.


 


Ela é divida em cinco tipos numerados de 0 a 4. No primeiro, são enquadrados os pacientes recém-nascidos e com funções musculares menos afetadas, no último os indivíduos com diagnóstico tardio e/ou com um quadro clínico mais grave. Em alguns casos, as pessoas sequer conseguem sentar-se de maneira independente.


Nos bebês, a doença pode ser percebida pelo pediatra durante as consultas de rotina, mas dificilmente é notada logo de início pelos pais ou profissionais de outras áreas. Isso porque, nos primeiros meses, o atraso motor é sutil.


A criança pode apresentar moleza, dificuldades para sustentar a cabeça, sentar e atraso para começar a engatinhar, por exemplo. Outros sintomas, como perda rápida de peso e dificuldades para engolir e respirar são mais facilmente notados pela família.


 


É por isso que uma das orientações das entidades do setor é que a família mantenha a Caderneta da Criança atualizada e leve sempre às consultas médicas. Esse documento, emitido pelo Ministério da Saúde e entregue aos responsáveis por todo recém-nascido no Brasil, contém os parâmetros de desenvolvimento desde bebê até os 9 anos de idade. É através dele que a equipe de saúde da família poderá identificar qualquer atraso no desenvolvimento motor e chegar a um diagnóstico rápido, tanto no caso de AME, quanto de outros problemas identificáveis na infância.


Com informações dos portais do Ministério da Saúde e Juntos pela AME.

FONTE: correiobraziliense

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2021 :: Todos os direitos reservados