Quinta, 23 de maio de 2019
77 99111-1342
Brasil

16/03/2019 ás 19h43

208

Paulo Flores

Licinio de Almeida / BA

Após condenação de réus por assassinato, túmulo de Bernardo tem homenagens em Santa Maria
No dia seguinte à conclusão do julgamento popular, havia flores, cartazes e bilhetes no túmulo do menino no Cemitério Ecumênico, o maior da cidade.
Após condenação de réus por assassinato, túmulo de Bernardo tem homenagens em Santa Maria
Túmulo do menino Bernardo tem homenagens em Santa Maria — Foto: Fabiana Lemos/RBS TV


No dia seguinte à condenação dos quatro acusados pelo assassinato do menino Bernardo Boldrini, o túmulo onde os restos mortais da criança estão sepultados, em Santa Maria, Região Central do estado, amanheceu com homenagens.

Bernardo foi morto no dia 4 de abril de 2014, e enterrado em uma cova cavada à mão em Frederico Westphalen, no Norte do Rio Grande do Sul. No julgamento popular concluído nesta sexta-feira (15) em Três Passos, no Noroeste gaúcho, onde o menino morava, o pai da vítima, Leandro Boldrini, a madrasta, Graciele Ugulini, além dos irmãos Edelvânia e Evandro Wirganovicz foram condenados pelo crime (veja as penas abaixo).

O corpo de Bernardo foi sepultado no Cemitério Ecumênico Municipal, o maior de Santa Maria, a pedido da avó materna, Juçara Uglione, que morava na cidade, e morreu em agosto de 2017. Na manhã deste sábado (16), havia flores, cartazes e bilhetes no túmulo do menino.


Túmulo do menino Bernardo em Santa Maria  — Foto: Fabiana Lemos/RBS TV


Túmulo do menino Bernardo em Santa Maria — Foto: Fabiana Lemos/RBS TV


As mensagens foram deixadas por pessoas que ficaram sensibilizadas com a forma como o menino foi morto e pedem justiça, de várias partes do país.

    "Be, clamamos por justiça e cremos que Deus a fará. Te amamos. Sandra – RJ", diz uma delas.

Veja as penas

    Graciele Ugulini, madrasta de Bernardo, teve a pena mais alta: 34 anos e sete meses de reclusão em regime inicialmente fechado, por homicídio quadruplamente qualificado e ocultação de cadáver. Ela não poderá recorrer em liberdade.
    Leandro Boldrini, pai da criança, recebeu 33 anos e oito meses de prisão por homicídio doloso quadruplamente qualificado, ocultação de cadáver e falsidade ideológica.
    Edelvânia Wirganovicz, amiga de Graciele, foi condenada a 22 anos e 10 meses por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver.
    Evandro Wirganovicz, irmão de Edelvânia, pegou nove anos e seis meses em regime semiaberto por homicídio simples e ocultação de cadáver.

FONTE: G1

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados