Quinta, 19 de setembro de 2019
77 99111-1342
Polícia

04/09/2019 ás 19h07

189

Administrador

Licinio de Almeida / BA

Champinha lidera rebelião com refém na Unidade Experimental de Saúde na Zona Norte de SP
Rebelião ocorreu na madrugada desta quarta (4) na unidade da Vila Maria. PM foi acionada, mas não precisou intervir.
Champinha lidera rebelião com refém na Unidade Experimental de Saúde na Zona Norte de SP
Roberto Aparecido Alves Cardoso, o Champinha, aos 20 anos — Foto: SÉRGIO CASTRO/ESTADÃO CONTEÚDO


O detento Roberto Aparecido Alves Cardoso, conhecido como Champinha, liderou uma rebelião na Unidade Experimental de Saúde (UES) da Vila Maria, na Zona Norte de São Paulo, na madrugada desta quarta-feira (4). Pelo menos um funcionário foi rendido pelos internos e feito refém.

O governador do estado de São Paulo, João Doria (PSDB), exaltou, nas redes sociais, o trabalho da polícia na ação.

"Parabéns a Polícia de SP que controlou com êxito uma rebelião liderada pelo assassino "Champinha", em uma Unidade Experimental de Saúde Estadual. Defendo o fim da maioridade penal para crimes hediondos e que criminosos como ele sejam enviados para cadeia, sem qualquer benefício", diz o texto publicado no Twitter.

Em nota, a Secretaria de Estado da Saúde disse que "o tumulto" foi controlado "em menos de 30 minutos" e que os atendimentos feitos por equipe multidisciplinar "seguem normalmente, sem qualquer anormalidade".

"A pasta esclarece, ainda, que não pode passar qualquer detalhe sobre os internos lá atendidos por questões de segurança e porque as informações são mantidas sob sigilo de Justiça."

Acusado de participar das torturas e dos assassinatos de Felipe Caffé, de 19 anos, e Liana Friedenbach, de 16, em 2003, Champinha foi internado naquele ano na extinta Febem, atual Fundação Casa. Em 2006, quando o então infrator terminou de cumprir medidas socioeducativas, ele foi transferido a UES, onde está atualmente, porque foi considerado perigoso para voltar ao convívio social.


A Unidade Experimental de Saúde, que já foi vinculada à Fundação Casa, hoje é administrada pela Secretaria Estadual da Saúde. O local é uma espécie de hospital psiquiátrico e a segurança é realizada por agentes da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP).

A rebelião acabou por volta das 2h10 com a chegada da Polícia Militar e o refém foi liberado. De acordo com a PM, os policiais não precisaram intervir. Todos os internos foram algemados e revistados. Ninguém ficou ferido.

Champinha

Em 2003, Champinha e mais quatro homens participaram dos assassinatos dos namorados Felipe e Liana. O casal foi morto na mata de Embu-Guaçu, onde tinha ido acampar. Felipe foi assassinado com um tiro na nuca e Liana virou refém do grupo. Ela ficou quatro dias em cativeiro, período em que foi torturada e estuprada. Depois, foi morta a facadas por Champinha.

Quatro adultos foram condenados pelos crimes. Como era menor de idade à época, Champinha foi inicialmente internado na Fundação Casa, onde ficou três anos cumprindo medidas sócio-educativas, como determina o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Depois, a Justiça paulista acatou pedido do Ministério Público Estadual (MPE) para decretar sua interdição civil, alegando que ele sofre de doença mental grave que coloca em risco outras pessoas.

Desde 2006, ele foi transferido para a Unidade Experimental de Saúde (UES), onde está atualmente. O interno passa por avaliações semestrais com psicólogos e psiquiatras. Eles elaboram laudos periódicos sobre o comportamento do rapaz, que cometeu os crimes quando tinha 16 anos.


champinha — Foto: rede globo


champinha — Foto: rede globo

FONTE: G1

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados