Quinta, 19 de setembro de 2019
77 99111-1342
Polícia

10/09/2019 ás 18h47 - atualizada em 10/09/2019 ás 18h48

400

Administrador

Licinio de Almeida / BA

Para não chamar atenção, madrasta suspeita de matar enteada de 11 anos aplicou doses baixas de veneno, diz delegado
Investigação aponta que madrasta planejou o crime para ficar com herança de R$ 800 mil da vítima. Conduta do pai também será investigada pela Polícia Civil.
Para não chamar atenção, madrasta suspeita de matar enteada de 11 anos aplicou doses baixas de veneno, diz delegado
Madrasta foi presa suspeita de matar criança de 11 anos envenenada em Cuiabá para ter herança de R$ 800 mil — Foto: Polícia Civil de Mato Grosso/Divulgação


De acordo com o delegado Wagner Bassi Júnior, que investiga de morte de uma menina de 11 anos, supostamente envenenada pela madrasta, em Cuiabá, a suspeita teria ministrado a substância em doses pequenas para não chamar a atenção dos familiares.

As investigações apontam que Jaira Gonçalves de Arruda, de 42 anos, teria cometido o crime para ficar com a herança da enteada, no valor de R$ 800 mil.

O G1 não localizou o advogado dela.

Mirella Poliane Chue de Oliveira, de 11 anos, morreu em 14 de junho, após ser internada em um hospital particular da capital mato-grossense. A menina tinha direito a uma indenização pela morte da mãe durante o parto, por erro médico.

Segundo a Delegacia Especializada de Defesa da Criança e do Adolescente (Deddica), a madrasta deu doses diárias de veneno para a menina durante dois meses.

Uma substância de venda proibida foi ministrada gota a gota, entre abril e junho deste ano, de acordo com a Deddica. A operação que prendeu Jaira recebeu o nome do conto de fadas "Branca de Neve".

    “Essa menina sofreu muito na vida. A mãe morreu no parto e não chegou a conhecer a filha. Em virtude da morte da mãe ela recebeu a indenização e começou a ser pago no ano passado. Os avós paternos, que a criaram, faleceram ano passado. Em virtude disso ela foi morar com o pai e a madrasta”, explicou o delegado.


Foram, ao todo, nove internações em dois meses. Ela recebia diagnósticos de infecção, pneumonia e até meningite. Na última vez em que foi parar no hospital, a menina já chegou morta. O hospital não quis declarar o óbito, mas suspeitava ser meningite.

“Ela melhorava no hospital e piorava em casa. O veneno era aplicado de forma muito pequena, que não chamava a atenção, de modo que, com o tempo, gerou sua morte”, disse Bassi.


Madrasta foi presa suspeita de matar criança de 11 anos envenenada em Cuiabá para ter herança de R$ 800 mil — Foto: Polícia Civil de Mato Grosso/Divulgação


Madrasta foi presa suspeita de matar criança de 11 anos envenenada em Cuiabá para ter herança de R$ 800 mil — Foto: Polícia Civil de Mato Grosso/Divulgação



A suspeita foi ouvida após a morte da menina e contou que convive com o pai da vítima desde que ela tinha 2 anos de idade e que se considerava mãe dela.

Jaira declarou que a enteada começou a ficar doente em 17 de abril de 2019, apresentando dor de cabeça, tontura, dor na barriga e vômito. A suspeita foi levada para a sede da Deddica, em Cuiabá.

    “O pai vai ser ouvido para sabermos o que aconteceu e se houve uma omissão [por parte dele]. Se esse crime estava acontecendo dentro de casa, onde ele residia, a postura dele está sendo investigada”, alertou o delegado.

Um computador foi apreendido na casa e será periciado.

“O crime de envenenamento foi muito bem pesquisado e elaborado. O veneno é proibido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) há dois anos.

“Ele intoxica de forma rápida. Infelizmente, acha-se de forma abundante no mercado negro”, finalizou o delegado.

O caso

A vítima tinha direito a uma indenização pela morte da mãe durante o parto, por erro médico em um hospital da capital. A ação foi movida pelos avós maternos da criança. Em 2019, após 10 anos, o processo foi encerrado, e o hospital foi condenado a pagar uma indenização de R$ 800 mil à família, já descontando os honorários advocatícios.

Parte do dinheiro ficaria depositada em uma conta para a menina movimentar na idade adulta. A Justiça autorizou que fosse usada uma pequena parte desse fundo para despesas da criança, mas a maior quantia só poderia ser acessada aos 24 anos. O dinheiro começou a ser pago neste ano.

Até 2018, a menina era criada pelos avós paternos. Em 2017, a avó morreu e, no ano seguinte, o avô também faleceu. Então, a garota passou a ser criada pelo pai e pela madrasta, Jaira Gonçalves de Arruda. A partir daí, a mulher deu início ao plano de matar a criança para ficar com a indenização, segundo investigadores.

FONTE: G1

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados